Paulo Afonso, 19 de junho de 2024

Artigos

NORDESTE CABRA DA PESTE

Por José Maria Colunista Tribuna Mulungu 11/06/2019 às 00:10

Há quem diga que o nordestino é meio islamizado e não é de se estranhar, até porque fomos colonizados pelos portugueses, que viveram por mais de seis séculos sob forte influência muçulmana, isto transparece no nosso modus vivendi, ou seja, nas nossas características sócio-religiosas-culturais do nosso povo. O cabra da peste é um velho jargão do nordeste, que do ponto de vista linguístico e sociológico é carregado de sentido. Segundo Euclides da Cunha em seu livro os “Sertões” enfatiza que o nordestino é antes de tudo um forte, porque viu nele o homem destemido, de têmpera forte, que “não leva desaforo pra casa”, capaz de feitos heroicos, determinado e ao mesmo tempo de muita fé e temente a Deus. Aqui não tem lugar para quem é mole, pois, os fatores naturais e sociais nos desafiam constantemente, exigindo a sua superação. A peste negra, assim conhecida, na Idade Média, na Europa, dizimou populações inteiras de jovens, doença muito temida, originou-se nos bolsões de pobreza caracterizada pela falta de higiene, agravada pela falta de saneamento. A caprinocultura, ou seja, a criação de caprinos no sertão se constitui numa tradição, o pastoreio deste espécime de pequeno porte adaptado à seca, resistente, utiliza-se de pouca água, alimentando-se de pasto natural a exemplo de: alastrado, mandacarus, coroa de frade, facheiro, quixaba, ubaia, catingueira… Criado solto, sem fronteira e cativeiro se multiplicam, procriam sem medidas. Roubar bode nos sertões é um dos maiores crime, passível de punição com a própria vida e para identificar o ladrão, amarra-lhes ao pescoço um chocalho. Do bode tudo se aproveita o leite, o couro e a carne, esta muito apreciada, fazendo parte da culinária nordestina, tendo baixo teor de gordura, saborosa, digestiva podendo comê-la cozida, frita, assada, verde, seca, esta última salgada e levada ao sol. A seca, os longos períodos de estiagem unem o homem e o caprino nos sertões, dois elementos que enchem a paisagem nordestina ambos convivem dia a dia neste cenário, muitas vezes inóspito. Se por um lado o caprino compõe a base da economia de subsistência por outro lado o homem sertanejo tem e vê nele o símbolo da resistência, da superação, fertilidade, da garantia do rebanho e sua manutenção. Ser um cabra da peste é ter a natureza, a perseverança, a resistência a origem, atitude, a perspicácia, a força gregária de vida evidenciada no rebanho e no bando, e vivê-los faz parte do caráter de fidelidade nestas terras onde o perdão é quase impossível. Alguém já dizia da sensibilidade nordestina como se fosse uma fragilidade do nosso EU, no entanto, é da sua índole a capacidade de acolhimento, hospitalidade, resignação, humildade e fé, não admitimos a traição. O nordeste traz consigo o que existe de mais brasileiro dentro de tantos brasis.

Prof.Jose Maria de Souza, Escritor, Esp.em História do Nordeste e Dirigente Escolar

Texto Extraido do Blog Zé Maria Historiando do autor

Os comentários não representam a opinião do Tribuna Mulungu. A responsabilidade é do autor da mensagem.

Veja também

Relacionado Posts