Paulo Afonso, 24 de junho de 2024

Língua Afiada

Vereadores da Oposição Atiram no Prefeito e Atingem o Povo

Decisão foi tomada com medo que impacto positivo das obras beneficie Marcondes Francisco

Na sessão de segunda-feira, 20 de maio, a Câmara Municipal de Paulo Afonso tomou uma decisão que pode ser considerada um verdadeiro retrocesso para o desenvolvimento da cidade. Com sete votos contra e cinco a favor, os vereadores reprovaram dois projetos de lei que liberariam um total de R$ 10,2 milhões para a conclusão de importantes obras no município. A decisão, causa prejuízos enormes e imediatos a população.

Sede da Justiça Federal

O primeiro projeto, que solicitava R$ 6,9 milhões para o término da construção da sede da Justiça Federal, foi rejeitado por uma maioria de sete votos contra cinco. A obra, inicialmente orçada em R$ 4,3 milhões, é vital para o funcionamento adequado da Justiça Federal em Paulo Afonso, o que inclusive levou o Juiz Federal João Paulo Piropo a casa legislativa na primeira sessão de discussão para fazer um apelo aos vereadores e pedir a sua aprovação. Com a reprovação, a população de Paulo Afonso continuará sem um espaço adequado para os serviços da Justiça Federal, o que dificulta e muito os trabalhos da subseção judiciária no município, que funciona em instalações bastante antigas e precárias.

Obras Essenciais que beneficiariam diretamente a população

Todo dias as pessoas reclamam de pavimentação que ainda não chegou a sua rua, de buracos nas vias ou do mercado público que precisa de mais espaço e da falta que faz o estádio de futebol. Pois é. Os vereadores decidiram que tudo deve continuar como está.
Ao reprovarem o segundo projeto, que visava liberar R$ 3,2 milhões para sete obras diferentes, listadas abaixo, os vereadores votaram preocupados apenas impedir o impacto positivo que essas obras poderiam ter na avaliação da administração do prefeito em exercício, Já que Marcondes vem paulatinamente tirando a cidade da situação difícil em que se encontrava.

  1. Pavimentação em paralelepípedos em diversos bairros – R$ 350.025,05
  2. Recuperação asfáltica em vias públicas – R$ 550.000,00
  3. Complementação da reforma e ampliação do Mercado Público – R$ 197.330,00
  4. Canteiro lateral da BA-210, do Ceasa até Polícia Rodoviária Federal – R$ 350.000,00
  5. Continuidade do serviço de reforma e ampliação do Estádio de Futebol Álvaro de Carvalho (antigo Ruberleno de Oliveira) – R$ 531.412,00
  6. Construção de 30 unidades habitacionais de interesse social – R$ 650.000,00
  7. Cascalho compactado em estradas vicinais nos povoados – R$ 590.787,47

A rejeição desse projeto impede a melhoria da infraestrutura urbana e rural da cidade, a ampliação de espaços públicos e a criação de novas moradias para famílias de baixa renda. Esses investimentos são importantes demais para o desenvolvimento da nossa cidade para serem tratadas com o mais puro interesse eleitoral.

Qual a real motivação?

Os votos contra os projetos vieram de vereadores da oposição e de alguns que mudaram de lado a pouco tempo, estes, que apesar de terem estado ao lado da gestão municipal até um dia desses, resolveram bloquear esses recursos com argumentos estapafúrdios.
Estariam os vereadores realmente preocupados com a gestão eficiente dos recursos, ou foi mesmo uma manobra política para enfraquecer a administração atual, independentemente do custo para a população? Eu aposto nessa segunda hipótese.

A decisão de não liberar os 10 milhões de reais, recursos. parte de um empréstimo já contratado junto à Caixa Econômica Federal em 2019, de um valor total de R$ 80 milhões, que a maioria destes vereadores que hoje votaram contra, aprovaram, tem um impacto econômico direto na economia da cidade, dinheiro deixa de circular, empregos são perdidos, novos empregos deixam de ser criados e os problemas que estas obras resolveriam vão ficar por mais tempo incomodando e prejudicando a população.

O argumento de que as obras que estão paradas representariam incapacidade do governo é rasa e sem fundamentação. Muitos desses vereadores que agora tentam mostrar serviço, e hoje fazem selfie em cada buraco da cidade, de fato não exerceram devidamente as suas funções durante todo o mandato, não fiscalizaram, não cobraram, não cumpriram o seu papel, e agora, ao invés de ajudar a resolver os problemas da cidade, votaram deliberadamente contra os interesses da população, apenas para manter armas e munição prontas para atacar o governo municipal.

Dane-se o povo. O importante é ter bala na agulha e detonar.

 

Os comentários não representam a opinião do Tribuna Mulungu. A responsabilidade é do autor da mensagem.

Veja também

Relacionado Posts