Paulo Afonso, 27 de julho de 2021

O Baú do Poeta

Os Costumes da Minha Terra

Uma homenagem a minha terra querida Alagoas

Nasci na terra de costumes e tradições que são admirados por todos que a conhecem. Conhecida como a terra do sol e do mar, dona de um sol genuinamente forte e tropical que se faz presente o ano inteiro, assim é a minha terra Alagoas.

Terra de muitas tradições culturais, dona de um rico folclore ainda desconhecido pelos seus próprios habitantes. E me atrevo a questionar, será que os novos habitantes deste século o conhecerão? Isso dependerá do esforço das instituições de ensino e das que preservam a história cultural e social alagoana. Dependerá também de cada um de nós alagoanos ensinar, repassar os costumes aos que estão chegando.

Nasci na terra do artesanato feito de palha, cerâmica, madeira, couro, de casca de coco e fibra de bananeira. Presente, criativo e forte, no centro, no Pontal da Barra, na feirinha da Pajuçara, em todo o lugar. Nasci na terra das danças culturais e folclóricas. As que tive mais contato de perto foram a quadrilha de raiz, o coco de roda e o pastoril.

Terra rica de sabores, do coco, do açúcar e do álcool, da peixada, do surruru, do siri e do camarão. Da tapioca de coco ou recheada, do cuscuz de manhã, no almoço com feijão ou de noite. Da mandioca e do inhame com charque no café da noite.

Terra de sabores doces e salgados como as broas, as bolachas e os sequilhos. Terra das praças e portas nos bairros, ruas e vilarejos, onde os moradores se encontram para falar da vida alheia e jogar dominó.

Vivi fora dessa terra por dois anos, senti falta dos seus sabores e encantos. Na terra onde vivi, à noite, não se comia mandioca, batata doce, banana frita ou cozida. Embora seja uma terra muito rica, não é a terra onde nasci, mas eu precisava ir. Tristeza e alegria senti, tristeza quando vi o sonho naufragado, alegria quando avistei os meus pés nesse chão tão amado.

Matheus Cavalcanti é natural de Maceió. Formou-se no curso técnico profissionalizante em Segurança e Medicina do Trabalho, pelo SENAI. Graduando em Filosofia. Católico, foi seminarista. É poeta e escritor, autor dos livros “Recomeçar, persistir: Relatos da vida e vocação” (Cia das Ideias, 2019), e “Diversidades Poéticas” (Cia das Ideias, 2020).

Os comentários não representam a opinião do Tribuna Mulungu. A responsabilidade é do autor da mensagem.

Veja também

Relacionado Posts

ENQUETE

Na sua opinião quem é o melhor vereador do BTN?

RESULTADO PARCIAL

Carregando ... Carregando ...