Paulo Afonso, 23 de maio de 2022

Geral

MP pede a Prefeitura explicações sobre feirinha da Padre Lourenço no BTN2

A Prefeitura de Paulo Afonso recebeu oficio do Ministério público do Estado da Bahia, solicitando “esclarecimentos para instrução de Notícia de Fato, sobre a existência/instalação de barracas irregulares em via pública que acarreta prejuízo a livre circulação de veículos e pedestres, além de provocar risco a segurança das pessoas em razão de supostas ligações clandestinas de energia elétrica existentes no local.”
A prefeitura tem um prazo curto para enviar informações à promotoria sobre a real situação no local.

A Feirinha da rua Padre Lourenço existe desde de 2004, ano em que a feira do BTN foi transferida do centro comercial do bairro, no entroncamento das ruas, Afonso Raimundo, Delmiro Gouveia e Padre Lourenço, para o CEASA, naquele momento um grupo de feirantes, insatisfeitos com a mudança, ocupou a calçada do antigo Supermercado Pesqueira, (na esquina da Afonso Raimundo com a Avenida Padre Lourenço) no BTN 2 e lá permanece até os dias atuais.

Por um período de cerca de 02 anos, durante o governo Raimundo Caires eles foram instalados em um ponto comercial na Rua Afonso Raimundo e depois relocados para um outro imóvel menor, também na esquina da Padre Lourenço com a Afonso Raimundo, só que ao lado do local aonde estão hoje. Acharam o local pequeno e insuficiente e novamente ocuparam a calçada do antigo supermercado.

No local existe um barraco construído pelo saudoso Guará, pioneiro nestas bandas, barraco autorizado pelo então prefeito Abel Barbosa, e que ainda hoje funciona no local comercializando diversos produtos, desde lanches a bebidas e tira-gosto, agora sob outra direção. Nesse meio tempo, a feirinha cresceu quase invadindo a via pública, além disso outros barracos surgiram por trás do famoso barraco do Guará, na lateral do antigo supermercado.

A situação da feirinha hoje, requer uma atenção especial, já que aonde está, coloca em risco a vida dos próprios feirantes, dos clientes, e de transeuntes. Não se pode ignorar que há o efetivo risco de um carro ou moto desgovernado atingir aquela área, ocorrer choques entre veículos ou o atropelamento de um pedestre.
Diante destes riscos a mudança do local da feira é uma necessidade e já deveria ter ocorrido.

Há anos as administrações tentam sem sucesso resolver o problema, ocorre que a solução não é tão simples quanto parece, ao menos se você pensar que é da feirinha que essas pessoas tiram o seu sustento, que é desse negócio que eles vivem, não se pode imaginar deixa-los desamparados e sem as condições para trabalhar.
Por outro lado o risco de acidentes, a falta de condições adequadas de trabalho para os feirantes, a falta de condições sanitárias e a falta de segurança para clientes e feirantes, também não pode e não deve continuar.

Diante das condições do local, é provável que o MP determine a remoção dos feirantes, No entanto, dada a complexidade do caso, essa decisão tem que se basear na dificuldades desta mudança, de forma que os feirantes pessoas e a administração tenham mais tempo para encontrar a solução ideal.

O Tribuna Mulungu conversou por telefone com o administrador do BTN Luiz Humberto, mais conhecido como Luizinho, que deixou clara a sua preocupação com o problema.

Luizinho informou que desde de quando assumiu a ADM/BTN, vem se esforçando em busca de uma solução para o problema, e que até agora tem esbarrando na escolha do local ideal para realocar a feirinha, de forma que essas pessoas possam continuar a trabalhar como fazem há tantos anos e em melhores condições que agora.
Luizinho disse que determinou o máximo empenho de toda a sua equipe, no intuito de encontrar uma solução. Informou também que vai convidar os feirantes para uma reunião, onde será discutido o problema e que acredita em uma solução que atenda as necessidades dos feirantes e também preserve os interesses da comunidade como um todo.

Os comentários não representam a opinião do Tribuna Mulungu. A responsabilidade é do autor da mensagem.

Veja também

Relacionado Posts