Paulo Afonso, 23 de maio de 2022

Cultura

Epopeia Pauloafonsina

Lugar de uma beleza encantadora
Gente de talentos, batalhadora
Paulo Afonso do meu sertão
Luz que alumia meu coração

Cantada em multiversos e poesia
De tantas canções é a melodia
Por imponente cachoeira parida
As verdes águas te deram vida

O rio São Francisco te quer bem
Da Igreja de pedras se ouve o amém
Filha desse Velho Chico teimoso
Viajante mineiro de passo majestoso

Força de um boi, audácia duma cobra
Foram marcas deixadas na tua obra
Marcou no bronze o talentoso cinzel
Contou bela história a tinta e o pincel

Caraibeiras frondosas te pintam de ouro
Ao som da cachoeira, forquilha, sumidouro
É de uma beleza por todos exaltada
Paisagem na terra por anjos pintada

Salve, salve o cassaco pauloafonsino
Homem forte, bravo, grande nordestino
Portador de uma esperança incrível
Com o martelo nos braços, invencível

E o poeta que a tudo contempla atento
Se pergunta de onde tirar o talento
Pra retratar com tamanha fidelidade
E declamar em versos tão bela cidade

Alex Xela Lima

Alex Xela Lima, ou Alexsandro de Lima Pereira, é baiano de Paulo Afonso, a Capital da Energia; Licenciado em Letras (Inglês-Português), pela Faculdade Sete de Setembro – FASETE, atua como   professor da rede municipal e estadual de ensino na Bahia; É escritor com um livro publicado, Cinquenta Tons de Poesia (2016), e vários textos em diversas Antologias poéticas; Considera o ato de escrever uma “nobre doença divina”, e se autodefine como “Só pó. Pó de Poesia”; É membro associado à União Brasileira de Escritores (UBE) – Núcleo Arapiraca-AL, e colunista do site Tribuna Mulungu.

Os comentários não representam a opinião do Tribuna Mulungu. A responsabilidade é do autor da mensagem.

Veja também

Relacionado Posts