Paulo Afonso, 17 de junho de 2024

Saúde

Entrevista: Doráth Menezes – Diretora Geral da Policlinica Regional de Paulo Afonso

Por: michel

A Policlínica Regional de Paulo afonso completou um mês de funcionamento na última segunda feira 11/08/19. para comemorar a data foi oferecido aos pacientes, autoridades e a imprensa um café da manhã, na ocasião foi feito um balanço das atividades realizadas naquela unidade de saúde.
A obra foi executada pelo Governo do Estado, e a Policlínica foi entregue ao Consórcio Interfederativo de Saúde – CIS, que reúne 09 municípios da região, mobiliada e com equipamentos modernos de alta tecnologia.

Os municípios consorciados e o governo do estado dividem os custos de manutenção da Policlínica que tem em seus quadros mais de 70 profissionais.
A Diretora Geral da Unidade Doráth Menezes, é Formada em Administração com especialização em Gestão Hospitalar e em Gestão de Saúde, e é psicoterapeuta.
Doráth Menezes concedeu entrevista a Tribuna Mulungu e fez uma rápida avaliação deste primeiro mês de atividades.

TM_ Quantas pessoas foram atendidas durante o mês de julho e nesses primeiros dias de agosto?

Doráth_ 1.996 pacientes foram atendidos nos primeiros 30 dias de funcionamento, entre consultas e exames.

TM_ Quais as dificuldades encontradas nesse primeiro mês?

Doráth Menezes_ Tivemos um percentual de faltosos em torno de 19%. Consideramos em termos quantitativos um número bastante elevado, por isso estamos tomando medidas em conjunto com os municípios para reduzir esse percentual nos próximos meses. Acreditamos que é resultante desse período de adaptação.

TM_ Existe algum tipo de pesquisa feita para identificar qual o índice de satisfação dos pacientes?

Doráth Menezes_ Sim. Temos o serviço de ouvidoria já implantado que faz essa intermediação entre Gestão e o Cidadão. Vale salientar que a Ouvidoria trata-se de uma unidade administrativa autônoma independente que responde no âmbito dos governos federal, estadual e municipal, cuja missão é viabilizar os direitos dos cidadãos de serem ouvidos e terem suas demandas pessoais e coletivas tratadas adequadamente no âmbito do SUS. Segue um demonstrativo com alguns modelos de métricas que acompanharemos mensalmente.


Os pacientes que saem de Paulo Afonso para serem atendidos em outras cidades, costumam informar que os exames feitos em Paulo Afonso, seriam sumariamente rejeitados por médicos de capitais da região, como Aracaju, Salvador, Recife e de cidades como Feira de Santana, Arapiraca, Caruaru, Juazeiro e Petrolina. Levando em conta que essas informações sejam verídicas, como se supõe, o Tribuna Mulungu pergunta:

TM_ Qual a qualidade dos exames feitos na policlínica? Será que os exames feitos na Policlínica continuarão serão rejeitados pelos médicos de outras cidades?

Doráth Menezes_ Esse feedback externo ainda não tivemos, acredito que pelo pouco tempo de atuação. No entanto, posso garantir sim, a qualidade das imagens. Os equipamentos que compõem nosso parque tecnológico é da mais alta tecnologia e qualidade, a grande maioria como por exemplo: o Tomógrafo e a Ressonância Magnética não são encontrados na maioria das clínicas da região.

TM_ já houve algum caso de extrema urgência aonde a policlínica tenha sido acionada para atender um paciente internado em uma das unidades hospitalares do município?
Doráth Menezes_ Ainda não houve casos em que fomos acionados para atendimento de emergência, todos os pacientes chegaram já com seus horários pré agendados.
Mas, já ocorreu de acionarmos outros parceiros para urgências que ocorreram com pacientes que vieram realizar exames nessa unidade.
Prontamente fomos atendidos pelo SAMU, que sempre chegou rapidamente. Gostaria inclusive de agradecer as equipes que aqui estiveram e prontamente acolheram nossos pacientes dando os devidos encaminhamentos.

Ivaldo Junior, Sec. Saúde de Paulo afonso; Ademílson Gomes Totó, Diretor do CIS; Davi Cavalcanti, prefeito de Glória; Carlos Clériston prefeito de Santa Brigida e Presidente do CIS e Doráth Menezes, Diretora Geral da Policlínica Regional de Paulo Afonso.

TM_ Havia uma expectativa inicial, de que a Policlínica atingiria mais de 3000 atendimentos mês e isso não aconteceu nesse primeiro mês, além dos pacientes que não compareceram para realização dos exames, algum outro fator contribuiu para que não se atingisse essa meta?

Doráth Menezes_ Nós disponibilizamos 2500 atendimentos entre exames e consultas, pois ainda não estamos funcionando com 100% da capacidade em razão da falta de profissionais para atender todas as especialidades.

Os comentários não representam a opinião do Tribuna Mulungu. A responsabilidade é do autor da mensagem.

Veja também

Relacionado Posts