12 curiosidades sobre as Festas Juninas

12 curiosidades sobre as Festas Juninas

É praticamente impossível prosear sobre o mês de junho e não vir à mente o colorido das bandeirolas de São João, o friozinho das noites aquecidas pelas fogueiras ou o xenhenhém da sanfona no rastapé. Mas tem um rebanho de gente que não conhece as histórias que originaram esses festejos de junho. Por isso, listei doze curiosidades sobre as festas juninas para você cair no forró muito bem informado.

1) As festas juninas tiveram início antes da era cristã. No hemisfério norte, várias celebrações pagãs aconteciam durante o solstício de verão (inverno, no hemisfério sul) e, na ocasião, eram realizados rituais em prol da fartura para suas colheitas.

2) A Igreja Católica cristianizou as festas pagãs de junho. Como a Igreja não conseguia extinguir as festas pagãs que aconteciam em junho decidiu cristianizá-las, instituindo dias de homenagens aos três santos no mesmo mês: Antônio, João e Pedro.

3) As festas juninas no Brasil remontam ao século XVI. Estas festas eram tradições bastante populares em Portugal e na Espanha e, por isso, foram trazidas para o Brasil pelos portugueses durante a colonização, assim como muitas outras tradições.

4) Festas Juninas ou Festas Joaninas? Quando trazidas para o Brasil, as festas eram conhecidas como Festas Joaninas, em referência a São João, mas teve o nome alterado para Festas Juninas, em referência ao mês no qual ocorrem.

5) O São João é o aniversário do primo de Jesus. No São João celebra-se a festa do nascimento de João Batista, aquele mesmo que batizou Jesus. Creia, eram primos, e foi um nascimento registrado pela história nos escritos da Bíblia Sagrada (Lucas 1:57-66).

6) Para cada santo, um tipo de fogueira. A fogueira quadrada é para Santo Antônio, no dia 13, a piramidal é para São João, no dia 24 e a triangular é para São Pedro, no dia 28. A fogueira foi um sinal usado para anunciar o nascimento de São João Batista.

7) Santo Antônio não se chamava Antônio. Ele se chamava Fernando de Bulhões e mudou seu nome em 1220 para Santo Antônio quando ingressou na Ordem Franciscana. Além da fama de ser casamenteiro, também é invocado para encontrar objetos perdidos.

8) O milho é o carro-chefe dos Arraiás. Canjica, bolo de fubá, pamonha, e outras comidas à base de milho são típicas das juninas em razão de sua colheita acontecer nesse mês. O plantio ocorre em março, de preferência no dia de São José, dia 19.

9) A origem das bandeirolas. Antes, as imagens dos três santos da Festa Junina eram pintadas em bandeiras e espalhadas pelos locais da festa. Depois, estas bandeiras foram transformadas em bandeirolas, que até hoje são usadas para decorar os Arraiás.

10) Do chique ao matuto. A quadrilha junina é uma dança de origem francesa e aristocrática que abria os bailes da Europa. A quadrilha é um dos destaques das Juninas e tornou-se uma forma de agradecimento aos três santos pela colheita realizada.

11) Sem o baião do Gonzagão não há São João. As canções de Luiz Gonzaga (“o rei do Baião”) certamente são as mais tocadas nas Festas Juninas acompanhadas dos sons inconfundíveis da sanfona, da zabumba e do triângulo.

12) É a festa mais popular do Nordeste. Sem dúvida alguma, o mês de junho é o mais aguardado e o mais festivo do ano na região Nordeste. Festividade que mistura a religião com manifestações populares, somadas a muitas cores, comidas e forró.

Alex Xela, É professor, poeta e Colunista do Portal Tribuna Mulungu

  1. Isso é resgate, isso é cultura! Parabéns Xela, excelente texto! Perfeito… E haja histórias por trás dessa festa que é a mais esperada do ano!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *